Afinal, pode praticar invertidas no período menstrual?

Nos textos antigos de yoga não há nenhuma menção ou recomendação sobre não praticar no período menstrual, até porque as mulheres eram impedidas de praticar até meados do século XX.


No entanto, parece que a principal razão pela qual nas aulas de yoga, alguns professores poupem as alunas das posturas invertidas quando elas estão no período menstrual, está mais relacionada a questão energética, ao movimento dos prana vayus.


De acordo com o yoga e outras correntes holísticas, o apana vayu é uma corrente energética descendente que se origina no umbigo e se move para baixo na exalação.

Eles dizem que se o corpo está num processo de eliminação de resíduos, ficar de cabeça para baixo no período menstrual poderia dificultar a atuação dessa corrente de energia eliminatória.


Porém, não há evidência científica de que isso vá ocorrer.


Nem todos concordam com essa ideia de recolhimento e reserva. Talvez deixar de praticar faça parte do mesmo bolo de mitos que nós mulheres carregamos ao longo da vida: como não lavar a cabeça e não praticar esportes, por exemplo.


“Faz pouco tempo que o Hatha Yoga começou a ser praticado por mulheres. Naquele tempo, não se sabia muito sobre o assunto e havia muitas crendices sobre menstruação como há até hoje na Índia. Nos principais textos como o Hatha Yoga Pradipika não há nenhuma referência sobre o assunto.” Professor de Hatha Yoga Rui Afonso, que faz mestrado sobre Yoga e Menopausa na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).


Os especialistas não têm nenhuma contraindicação do ponto de vista científico para a prática de invertidas durante o período menstrual:


“Exercícios como o Yoga são bons, porque liberam as endorfinas que proporcionam a sensação de bem-estar. Não há nenhum cuidado especial em fazer invertidas desde que a mulher sinta-se bem, sem dor ou desconforto.” Dra. Ruth Clapauch, diretora de cursos do Departamento de Endocrinologia Feminina e Andrologia da Sbem (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) do Rio de Janeiro.


“Caso alguma teoria médica tente explicar e/ou contraindicar um exercício de Yoga, a resposta que a mulher apresenta na sua prática é a melhor referência. O que fizer bem para a alma, ou seja, para o seu eu, possivelmente fará bem para o corpo.” Ginecologista Marco Antonio Lenci, que atende no Hospital Albert Einsten (SP).


Por isso, mulheres que menstruam, sintam-se livres para escolher.

Se você está disposta e as invertidas aliviam o desconforto e dores , faça.

Se nesse período você prefere se recolher, faça isso sem culpa alguma.


Sempre tem alguém ou a indústria querendo decidir por nós sobre nosso corpo, nossas vontades, sobre o que devemos ou não fazer.


Faça o que lhe faz bem.


Pratique com calma e livre de apego aos resultados.

O importante é ao final da prática você sair melhor do que entrou.

Com leveza e bem estar.


Escute seu corpo!


A Ciência não é inimiga da tradição antiga, nem da sabedoria ancestral.


Porém, é nosso dever com base do conhecimento já existente, questionar e investigar mitos e dogmas (Por que fazemos tais coisas?)


Tenha liberdade para questionar,

Tenha a liberdade para experimentar.


Estudo de Si é Yoga.


Ana e Débora






referencia: ferengelyoga.com

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo